Novas Vistas Lumière

Novas Vistas Lumière é um concurso de curtas metragens, que tem por objetivo proporcionar aos jovens, entre os 12 e os 35 anos, a oportunidade de desenvolverem as suas capacidades criativas no domínio da imagem em movimento.

O nome atribuído ao concurso deve-se ao pioneirismo que os irmãos Lumière tiveram no desenvolvimento do olhar cinematográfico sobre o mundo que os rodeava, tendo-nos deixado um conjunto assinalável de pequenos filmes, as Vistas Lumière.

As vistas, ou fotografias animadas como ficaram inicialmente conhecidas em Portugal, eram filmes de um só plano, normalmente sem movimentos físicos da câmara, rondando os trinta segundos de duração, e naturalmente sem som síncrono ainda, que apenas surgiria em 1927.

Estas vistas seriam os precursores dos filmes de atualidades, um género documental que terá forte desenvolvimento antes do aparecimento da televisão. Nesses pequenos filmes, para além das sempre atrativas imagens sobre lugares exóticos e distantes, aquilo que domina é a cidade e o urbanismo, o trabalho, o lazer e por vezes o burlesco.

O concurso Novas Vistas Lumière é uma competição que aceita curtas metragens de um só plano, mantém a maioria das caraterísticas dos filmes Lumière, com pequenos ajustamentos, nomeadamente a utilização de novos meios de gravação que a tecnologia atual permite. Ao mesmo tempo constitui um desafio criativo, porque impede os concorrentes de utilizarem algumas das possibilidades tecnológicas dos meios atuais, obrigando-os a concentrarem-se apenas na componente narrativa que a imagem contém.

Normas de Participação

Faça download das normas de participação.

Guião de candidatura

  1. A candidatura de um filme a concurso implica conhecimento e aceitação das Normas de Participação.
  2. As obras devem ser apresentadas a concurso até ao dia 3 de abril de 2017.
  3. Cada autor pode submeter até duas obras a concurso.
  4. A candidatura de uma obra a concurso deve ser feita do seguinte modo:
    1. Preenchimento do formulário de inscrição disponível em www.marfilmfestival.pt;
    2. No caso de menores, os Encarregados de Educação devem preencher obrigatoriamente a declaração disponibilizada na página do festival e enviá-la para marfilmfestival@cm-ilhavo.pt
    3. Enviar o filme e uma fotografia (em formato jpeg) através da plataforma www.wetransfer.com, procedendo da seguinte forma:
      1. Entrar na página www.wetransfer.com;
      2. Selecionar “Take me to free”;
      3. Selecionar “concordo”;
      4. Selecionar o ficheiro do filme e a fotografia;
      5. No email destinatário colocar marfilmfestival@cm-ilhavo.pt;
      6. Transferir e aguardar pelo completo envio do ficheiro.
  5. Os candidatos devem considerar as obras submetidas depois de receberem um email de confirmação de receção da organização do festival.
  6. Após a submissão os autores serão informados da aceitação ou exclusão da obra a concurso.

Formulário de inscrição

1. Identificação do concorrente
(se participante menor de idade)
2. obra a submeter a concurso

Declaração do Encarregado de Educação

Faça download da Declaração do Encarregado de Educação, preencha, assine e envie para o email marfilmfestival@cm-ilhavo.pt.

Júri

Anabela Branco de Oliveira

Anabela Branco de Oliveira é professora auxiliar na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e investigadora no Labcom. Doutorada em Literatura Comparada, orienta a sua investigação científica no âmbito dos estudos interartes, nomeadamente nas relações entre literatura e cinema, literatura e arquitetura e também na cinematografia de Manoel de Oliveira, Fellini e Jacques Tati. Leciona vários seminários no âmbito da análise do discurso fílmico e das relações dialógicas entre o cinema e outras artes. Autora do curso “Cinema: Alquimia das Artes” na Fundação de Serralves (Porto,2009). Tem comunicações apresentadas em múltiplos colóquios e publicações em revistas nacionais e internacionais. Conferências convidadas nas universidades de Paris III, Paris Ouest Nanterre La Défense, Utrecht, Varsóvia e Lublin sobre o romance português contemporâneo (anos 60-90) e cinema português. Participações em júris e workshops em festivais e mostras de escolas de cinema (Avanca, MIFEC, Festival de Cinema de Ourense, Festfilm-Montpellier, Cinanima, São Tomé Fest Film. Arroios Film Festival) e nos júris nacionais do ICA (2014 e 2016). Diretora do RIOS – Festival Internacional de Cinema Documental e Transmedia. Pertence ao conselho editorial das revistas online International Journal of Cinema , Estrema, Plural/Pluriel, Persona e Cygne Noir, revue d’exploration sémiotique (Université du Québec à Montréal).

André Valentim Almeida

André Valentim Almeida é um realizador português. Os seus filmes têm sido exibidos em diversos Festivais de Cinema nacionais e internacionais, nomeadamente no Doclisboa, IndieLisboa, Visions du Réel, FIDMarseille, Jihlava, DOK Leipzig, CPH: DOX, DMZDocs, MoMA, Carpenter Center for Visual Arts, TEDx Brooklyn, entre outros, e ganhou recentemente o prémio Europeu da Doc Alliance atribuído ao seu filme A Campanha do Creoula. Realizou também as longas metragens From New York with Love (prémio melhor Filme no Figueira Film Art), Uma na Bravo Outra na Ditadura, e as médias metragens A Propósito de Leixões e Gigantes do Douro, uma encomenda do Museu do Douro que figura na sua exposição permanente.

Foi docente na Universidade do Porto e Aveiro e coordenador científico de um programa de formação de vídeo para jornalistas na Agência Lusa. Foi fellow no UnionDocs Collaborative Studio (2009/2010), em Brooklyn, Nova Iorque, onde se viria a tornar o coordenador do mesmo programa em 2011/12. Tem vindo a participar em diversas palestras e acções de formação, como é o caso do TEDx Aveiro.

Francisco Cardoso Lima

Francisco Cardoso Lima é Doutor em Estudos de Arte pela Universidade de Aveiro (tese de doutoramento: “O Artista pelo Artista na voz do Próprio”-2013), Mestre em Criação Artística Contemporânea pela Universidade de Aveiro (dissertação de mestrado: “O Atelier Enquanto Lugar e Processo de Criação Artística”-2007) e Licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (1996).

Entre 2001 e 2006, artista da Galeira Pedro Oliveira. Atualmente, artista independente (a residir em Ílhavo), com experiência pedagógica no campo do ensino da arte e experiência científica no campo da produção artística. Web site: http://franciscocardosolima.com

Filmes admitidos a concurso

12-15 anos Título
Eduardo Jardim Conforto na angústia Admitido
Isabel Neves Ponto de fuga Admitido
João Santos Argus. O passado do presente Admitido
Leandro Monteiro Vida Admitido
Luís Afonso Limpeza Admitido
Simão Castro Hope to survive Admitido
16-18 anos Título
Beatriz Melo Contraste Admitido
Maria Antónia Precalços Admitido
Orlando Quaresma Reflexão Admitido
Pedro Marques | André Cruz Refugiados Admitido
Sofia Cruz Como o tempo passa… Admitido
Sofia Palhinha Adeus Admitido
Tatiana Pereira Esperança Admitido
Tomás Ferreira Atracado na tumba do esquecimento Admitido
19-35 anos Título
Clara Motta Tenacidade Admitido
Fábio Lucindo Onda e Anda Admitido
Fábio Lucindo Mar Admitido
Filipa Rodrigues | João Coutinho Amarração. Após l’arrivée d’un train en gare de La Ciotat Admitido
Francisco Lé | Rui Gonçalves Água a dá, água a leva Admitido
Francisco Lé | Rui Gonçalves Águas Paradas, Areias Movediças Admitido
Miguel Lobo Águas Vivas Admitido
Rafael Silva Ainda te esperamos Admitido
Ricardo Almeida O momento que separa a água doce da salgada Admitido
Teresa Neves Limite Admitido
Teresa Neves Horizonte Admitido