O mar no cinema

O mar no cinema é uma das secções de Mar Film Festival, na qual serão exibidas obras ficcionais ou documentais, portuguesas ou estrangeiras, nas quais a relação temática com o mar seja um eixo determinante para a compreensão das narrativas.

A presença de realizadores ou personalidades convidadas abrem um espaço de reflexão e comentário, em interação com o público, sobre os filmes e o processo que conduziu à sua criação.

Na edição de 2017, estarão presentes no festival os realizadores Cláudia Varejão (a confirmar), Gonçalo Tocha e Pedro Magano, convidados pela organização a propósito de obras suas em exibição.

Teresa Fidélis, professora da Universidade de Aveiro e especialista em planeamento e ordenamento do território, tendo coordenado diversos projetos e iniciativas sobre a Ria de Aveiro, virá comentar o filme Watermark, uma obra inédita em Portugal, que aborda o tema das funções da água no planeta em dez países.

Abílio Hernandez Cardoso, professor da Universidade de Coimbra, e especialista de reconhecido mérito internacional na área dos estudos cinematográficos, é o convidado para encerrar o festival com a comunicação “Águas filmadas: lugar de morte ou espaço de liberdade?”.

Filmes | trailers

A QUIETUDE DA ÁGUA

Naomi Kawase | 2014 | 118’

WATERMARK

Jenifer Baichwal-Edward Burtynsky | 2014 | 92’

A MÃE E O MAR

Gonçalo Tocha | 2014 | 97’

AMA-SAN

Cláudia Varejão | 2016 | 112′

BALAOU

Gonçalo Tocha | 2007 | 77’

A UM MAR DE DISTÂNCIA

Pedro Magano | 2016 | 52’

Participantes

Abilio Hermandez Cardoso

Universidade de Coimbra

Professor associado aposentado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Doutorado em Literatura Inglesa pela Universidade de Coimbra com a dissertação sobre James Joyce, intitulada De Ítaca a Dublin: Ulysses ou a odisseia da palavra. Licenciado em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras de Coimbra, com a dissertação intitulada Faulkner e o negro.

Professor de Literatura Inglesa e de História e Estética do Cinema. Lecionou igualmente: Introdução aos Estudos Literários, Teoria da Literatura, História Cultural do Cinema, Cinema Americano, Análise de Filmes, Narratologia, Cinema e Modernidade e Cinema e Outras Artes.

É membro da Comissão de Avaliação Externa da Agência de Acreditação e Avaliação do Ensino Superior em Portugal, na área de Estudos Fílmicos.

Faz parte do Conselho Consultivo da AIM – Associação dos Investigadores da Imagem em Movimento, da Comissão Científica da Conferência Internacional Avanca Cinema e do Conselho Geral da Fundação Inês de Castro.

Integrou os seguintes centros de investigação: Centro de Literatura Portuguesa (Universidade de Coimbra) e Centro de Estudos Ibéricos (Universidades de Coimbra e Salamanca).

Foi Presidente de Coimbra Capital Nacional da Cultura, Pró-Reitor da Cultura da Universidade de Coimbra, Diretor do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, Diretor do Teatro Académico de Gil Vicente, Prof. Titular da “Cátedra Manoel de Oliveira” da Universidade Portucalense, Presidente da Associação Portuguesa de Programadores Culturais, Membro da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário do Cinema, Jurado do Instituto do Cinema e do Audiovisual nos concursos de atribuição de apoio à Produção Cinematográfica Portuguesa, Membro do Conselho Científico do Centro de Estudos Ibéricos (Universidades de Coimbra e Salamanca), Diretor da revista SENSO, Presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Estudos Anglo-Americanos, Diretor do Instituto de Estudos Ingleses da Faculdade de Letras de Coimbra, Presidente da Comissão Científica do Grupo de Estudos Anglo-Americanos, Coordenador do Doutoramento em Arte Contemporânea do Colégio das Artes, membro dos júris do Prémio Universidade de Coimbra e do Prémio Eduardo Lourenço.

Cláudia Varejão

Realizadora

Cláudia Varejão nasceu no Porto e estudou Cinema no Programa de Criação e Criatividade Artística oferecido pela Fundação Calouste Gulbenkian. Adquiriu também formação cinematográfica na Academia Alemã de Cinema e Televisão de Berlim e ainda na Academia Internacional de Cinema de S. Paulo. Também aprendeu fotografia na AR.CO em Lisboa.

Realizou Wanting, uma curta metragem documental e uma trilogia ficcional em curta-metragem, Weekend, Cold day e Morning light.

A sua primeira experiência em realização foi In the Darkness of the Theater I Take off My Shoes. Ama-san é o seu filme mais recente, datado de 2016. Para além de realizadora tem também alguns trabalhos em fotografia.

Gonçalo Tocha

Realizador

Nasceu em Lisboa em 1979.
Viveu entre o subúrbio de Sacavém e o mar da Costa de Caparica e dos Açores.
Começa na música com 14 anos ainda em Sacavém, na cena Punk dos anos 90.

Licenciado e pós-graduado em Língua e Cultura Portuguesa pela Faculdade Letras Lisboa. Na mesma Faculdade funda o Núcleo de Cinema Video, no qual se inicia no cinema e forma a banda Lupanar em 2001 com Ana Bacalhau e Dídio Pestana.

Viajante e realizador/produtor de documentários auto-biográficos, os seus filmes, extremamente pessoais, são o registo criativo de uma deriva pelo mundo, tendo no mar o eixo central do seu trabalho.

A sua primeira longa-metragem “Balaou” (2007), filme de homenagem à sua mãe rodada em São Miguel, foi vencedor do Melhor Filme Português e Melhor Fotografia no Indielisboa 2007, passou por mais de 20 festivais internacionais e foi exibido na RTP2 e no canal franco-alemão ARTE.

A sua segunda longa-metragem “É Na Terra Não É Na Lua” (2011), rodado na integra na Ilha do Corvo, teve estreia mundial no Festival de Locarno 2011, onde obteve uma menção especial do júri. Obteve mais 4 primeiros prémios internacionais no Doclisboa, BAFICI, San Francisco Int. Film Festival e DocumentaMadrid 2012. Teve estreia comercial em Portugal (Porto e Lisboa) e em Nova Iorque no Anthology Film Archives.

Em 2012 foi convidado a realizar mais dois filmes, um para a Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012, “Torres & Cometas” e outro para o programa Estaleiro do Festival de Vila do Conde, “A Mãe e o Mar” sobre as mulheres pescadeiras de Vila Chã, a estrear em Julho de 2013.

Trabalhou como videasta para teatro (Truta, Grupo Teatro de Letras) e música (Deolinda, Bandarra e MEDEIROS/LUCAS).

Na música é compositor (letra e música) cantor, tocador de bandolim e de guitarra, recuperador de vinis. Mantém o super duo musical TOCHAPESTANA, com Dídio Pestana e é DJ/entertainer com a sua colecção de discos, enquanto DJ Rubi Tocha Dábaile.

Pedro Magano

Realizador

Estudou Tecnologias da Comunicação Audiovisual no Porto, na ESMAE, acabando a licenciatura em 2007. No entanto, desde 2003 já colaborava com a RTP como operador de câmara, especializando-se posteriormente na direção de fotografia e fundou, em 2008, a Pixbee.

Como Diretor de Fotografia participou nos documentários “O Vício da Liberdade“, (2011) e “Manuel António Pina – Um sítio onde pousar a cabeça” (2012), da Terra Liquida Filmes. Em 2014 colaborou no projeto “ArtMénia”, da Fundação Gulbenkian, e em 2015 nas suas duas primeiras longas-metragens como realizador, “Irmãos” e “A um mar de distância”.

Como realizador, Pedro estreou-se em 2007, com a curta-metragem “Logo hoje”, obtendo o Prémio Competição de Avanca, no Festival Internacional de Cinema de Avanca. Seguiu-se a média-metragem documental “Era Uma Vez no Iraque” (2014) sobre o atentado à base militar em Nassíria, em 2003. “Irmãos” foi a sua primeira longa-metragem, um documentário sobre as romarias de São Miguel, que obteve o Grande Prémio do Festival Caminhos do Cinema Português (2015) e o Prémio de Melhor Montagem. Posteriormente, arrecadou o Lince de Ouro de Melhor Documentário no Fest – New Directors Film Festival  (2016), foi selecionado, entre outros, no Festival Filmes do Homem (2016) e no Festival Internacional de Cinema Documental de México, iniciando assim o seu percurso internacional.

Recentemente, Pedro estreou o documentário, “A um mar de distância”, que obteve uma Menção Honrosa na última edição do Festival Caminhos do Cinema Português (2016). Atualmente, o realizador está a preparar a sua segunda curta-metragem de ficção, “Inverno”, para 2017.

Teresa Fidélis

Universidade de Aveiro

Teresa Fidélis é Doutorada em Ciências Aplicadas ao Ambiente (Univ. de Aveiro), “Master of Philosophy in Town and Country Planning” (Univ. de Manchester) e Licenciada em Planeamento Regional e Urbano (Universidade de Aveiro). É Professora Auxiliar no Departamento de Ambiente o Ordenamento e Investigadora Integrada no Centro de Investigação em Governação, Competitividade e Politicas Públicas (GOVCOPP) da Universidade de Aveiro. É docente em cursos de licenciatura, mestrado e doutoramento nas áreas do Planeamento, Avaliação e Governação Ambiental. No seu trabalho científico bem como na orientação de doutoramentos e mestrados, tem-se dedicado à avaliação da implementação de instrumentos de política de ambiente como o planeamento e a avaliação ambiental, em especial no modo como incorporam os recursos hídricos e a biodiversidade. Integrou várias equipas de projectos internacionais dos domínios da água e do território e é autora de inúmeras publicações científicas no seu domínio. Tem experiência de governação dos recursos hídricos da qualidade de Presidente da Administração da Região Hidrográfica entre 2008 e 2012 e do Polis Litoral da Ria de Aveiro entre 2009 e 2012. No seu trabalho de investigação e extensão universitária tem dedicado especial atenção à Ria de Aveiro. É coordenadora do Grupo “uariadeaveiro” dinamizado pela Reitoria da Universidade de Aveiro.